Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quando o salto é maior que a perna!

por reporterdesaltosaltos, em 05.04.10

Cada vez mais o mundo masculino me fascina. Em tempos modernos, em que tudo acontece praticamente à velocidade da luz, observo que exactamente o mesmo se passa no mundo dos homens. Alias, no mundo dos relacionamentos com os homens. E sim. Das mulheres também.

 

Facto é que tenho dezenas de amigas solteiras. E não são “macambúzios”. São giríssimas, inteligentes, divertidas, boas profissionais e namoradas desinibidas. Estão de bem com a vida, são muitíssimo bem resolvidas e igualmente independentes. São mulheres dos tempos modernos. Mais fortes e mais audazes mas também mais solteiras. E na maioria dos casos não é por opção.

 

Não sei o que se passa no universo masculino. Este tipo de mulheres parece afugentar o também homem dos tempos modernos. Não consigo perceber. Será que é uma questão de competição? O facto de estarmos mais independentes? Ou de estarmos mais equiparados em vários campos? Eu acho que a “nova” mulher está finalmente a chegar ao “ponto”… E agora é que eles se acobardam? Sentir-se-ão ameaçados? É obvio que não gosto nem quero generalizar mas as minhas amigas contam-me as suas histórias e descreveram-me um novo tipo de homem. O homem imediato.

 

É o homem dos sonhos delas. Ou pelo menos aparenta ser durante uns tempos. Conhecem-se e (vai começar) imediatamente correspondem ao sonho – até porque as mulheres ouvem o que querem e não o que os homens dizem. Imediatamente eles dão as respostas certas. E não é a cantiga do bandido. O “homem imediato” acredita mesmo no que declara ao universo feminino. Imediatamente ele sente-se inebriado. Imediatamente fica fascinado com a mulher que tem na frente. Imediatamente se sente apaixonado. Imediatamente a faz sentir como a única mulher à face da terra. Imediatamente se declara. E ela (parvinha! – principalmente as minhas amigas) cai que nem uma “patinha”. Imediatamente…

 

E pior. Há mesmos os espécimes que numa tentativa de se convencerem que o que estão a viver é real ou melhor, que “esta é para assentar”, ainda pioram a coisa. Como? Quase imediatamente apresentam-na ao grupo de amigos mais íntimo, em certos casos até à mãe. E quase imediatamente estas parvinhas dos tempos modernos começam a fazer o filme.  Porque as mulheres são mesmo assim. Imediatamente começam a escrever o guião, a encenar tudo, a imaginar o “ajuntamento”, o apartamento, o casamento. Até imaginam a genética dos filhos. E se forem convidadas para um almoço de família… Minhas amigas, imediatamente estão condenadas…

 

 

Porque imediatamente ele vai estar sentado na mesa, a olhar para a família e para os amigos. Imediatamente vai olhar para ela. E depois vai de novo olhar para eles. Imediatamente vai começar a sentir o calor a subir. A subir. Vai ficar vermelho, com as palmas das mãos a escorrer água, vai entrar em pânico e pensar “Meu Deus, o que é que eu estou a fazer? Como é que eu cheguei aqui?”. O fim está anunciado. Imediatamente vai planear o momento e hora do discurso fatal. Onde a mulher, inevitável e imediatamente vai ficar destroçada.

 

Nunca me deparei com este belo espécime. Mas sei que ele existe e porque é que isto acontece. No fundo e tão simplesmente vivemos em tempos imediatos. Todos os dias exigem tudo de nós a vários níveis e com a máxima rapidez. A máxima urgência. Pensar depressa. Agir ou reagir já. É muita pressão! Tanto homens como mulheres querem que as suas vidas corram depressa. Que tudo aconteça depressa. E como é aquele ditado? “Depressa e bem não há quem”. Mas são as exigências dos tempos modernos. Queremos todos viver depressa e intensamente.

 

E como há homens imediatos há também mulheres imediatas. Não somos melhores que eles. Quando muito e deste género seremos em menor número. Mas existimos e estamos a crescer exponencialmente. E fazemos exactamente o mesmo ou pior que eles. Não pretendo defender as mulheres, aliás nem os homens. A culpa tem de ser repartida. Sobretudo quando todos somos culpados. E quando todos somos vítimas dos tempos imediatos.

 

Conselho: Chill out! Amigas e amigos, tenham calma! Vivam a vida e aproveitem o máximo mas por favor, não se stressem! Simplesmente aproveitem o melhor (mas tem mesmo de ser o vosso melhor) que podem dar e receber de cada pessoa. Não façam filmes. Façam curtas-metragens. Porque se a probabilidade de encontrar o homem certo (ou mulher certa) é tão infinitamente pequena, não vale a pena investir a curto prazo. Além disso, e como ouço cada vez mais - e dou toda a razão - enquanto não encontram o homem/mulher certo/a, por favor, divirtam-se com o/a errado/a!

 

JUST GET THE BEST FROM LIFE!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:50



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D