Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Afinal a panela tinha tampa!

por reporterdesaltosaltos, em 01.07.12

Apeteceu-me reeditar este post. Sobre a minha amiga panela. Afinal teve direito à tampa. E ao resto do kit... Enquanto há esperança, há mesmo vida! ;-)

 

Eu adoro clichés e este é um deles. Será que todas as panelas têm mesmo uma tampa? O tema “amor” é um daqueles que de facto eu não domino. Não posso dar conselhos – afinal se fossem bons vendias-os – mas sei o que me rodeia. Tenho imensas amigas solteiras, giras, inteligentes, bem formadas e divertidas que frequentemente se deparam com tampas… Deformadas.

 

Vou contar-vos uma história. Uma queridíssima amiga “panela” esteve muito tempo sem tampa. Um dia esta panela viajou e encontrou uma tampa que não se parecia nada com uma tampa. Mas como esta tampa viajou até Lisboa para se declarar à panela, a panela começou a aquecer e achou que precisava de tampa. Panela e tampa passaram a cozinhar juntos, viajando entre o fogão dela e o dele (a não sei quantas centenas de km). Viajaram, viajaram e viajaram. Até que a tampa se cansou. Quis apagar o fogão (que estava no máximo) e de vez! A panela entornou completamente…

 

Estão a perceber tudo, certo?

 

Continuando. A tampa entretanto arrependeu-se. A panela perdoou. E lá voltaram a cozinhar juntos. “Agora é a sério” – dizia ele. E eu pensei – ora aqui está uma panela extraordinária! Adoro-a! Ela é muito melhor que eu! É um ser humano fabuloso! Sabe perdoar. Dar uma segunda oportunidade… Mas pouco tempo depois a sacana da tampa cansou-se (de novo) de viajar até à panela. E atirou-a ao chão. A tampa não aguentou a pressão - pensei. Tudo muito rápido, muito intenso. Coitada da tampa! Não da panela. Porque a panela nem estava com  a tampa certa… Só que a solidão iludiu-a!

 

 

Não obstante, a panela foi ao chão! Impacto do tipo… Empire State Builiding to Underground!

 

E é nestas alturas que me vejo forçada a repetir o meu discurso. Mas que raio de panela és tu? Olha bem para ti! Porque é que não te dás valor? És uma panela fabulosa! A tampa que não te quer é a mesma que não te merece! Mas o que tenho eu de fazer para meter isto na cabeça das minhas amigas panelas? E das panelas em geral? E podia ser só um discurso para reduzir o sofrimento. Mas não é!

 

Perguntam vocês – porquê é que não é se é o que as panelas amigas fazem? Bem, porque por mais que me custe admitir e embora eu adore ter divertir-me com as tampas erradas, tenho de me resignar. Um dia vou ter uma só tampa fabulosa. Aquela. A certa. Por enquanto sei que não estou preparada para fechar a panela mas também sei que a minha tampa anda por aí à solta e à minha procura. E vai encontrar-me. E sim! No mesmo planeta e sob o mesmo céu. Só não chegou o momento certo.

 

Por isso minhas caras amigas panelas, se EU (que sou eu e vocês sabem bem) tenho a CERTEZA – por mais que me custe admitir – que há uma tampa certa para mim, então minhas queridas… VOCÊS ESTÃO SAFAS!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:57



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D