Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Há fadista!

por reporterdesaltosaltos, em 30.11.11

Há umas semanas estive no Museu do Fado com a minha amiga Liliana. Visitámos o museu, labiríntico mas moderno e muito bonito e ficámos para jantar e para uma noite de fados.  Comida típica, boa companhia e fado. Parece bem e sabe melhor. A noite ficou composta com 3 fadistas, cada um com o seu talento. Dois da nova geração e uma da mais antiga mas que para mim foi quem melhor encarnou o fado. Tinha uma voz mais cansada mas tinha muito mais alma! E muito bonita para a idade.

 

Dizem que o fado é a alma de um povo. Do nosso povo. Acho que de facto é a nossa alma. Faz parte da nossa cultura e da nossa identidade e fico muito contente pelo reconhecimento do Fado como património imaterial da humanidade. É a devida homenagem às Severas, às Amálias e Marizas do nosso Portugal. Podemos ter pouco para oferecer um turista mas nenhum ouve o fado sem ficar mais rico...

 

Durante a visita ao museu fiquei bastante impressionada com algumas curiosidades. Primeiro ninguém sabe a verdadeira origem do fado. Há versões que falam nos cânticos mouros,  nas modinhas brasileiras, nos cantares dos marinheiros e finalmente aquela que eu pensei ser a única origem. O fado  surgiu na voz do povo, nas ruas da cidade de Lisboa, como uma forma de expressão. Não acredito que alguma vez se descubra...

 

 O Fado - José Malhoa

 

Sempre soube que o fado estava associado às classes mais baixas, era cantado nas tabernas e reflectia o desalento, a tristeza, o ciúme e o medo. Nunca me passou pela cabeça que a “Casa da Mariquinhas” fosse uma casa de prostituição. E muito menos que as prostitutas eram as cantadeiras de fado. Sempre ouvi falar na Severa mas nunca soube que era prostituta. Conta a história que até foi amante do Conde do Vimioso. Lá está, como eu costumo dizer, cada um sabe de si e Deus sabe de todos...

 

Descobri também que a expressão “silêncio que se vai cantar o fado” se utiliza porque os fadistas das classes mais baixas cantavam bem mas falavam mal. Como “cortavam” algumas palavras, senão se estivesse em silêncio ninguém percebia o que eles cantavam. E claro, o mistério e o pecado das tabernas e das casas de “passe” atrai os membros aristocratas que começam a frequentar bairros como Alfama e a Mouraria. Foi como uma virose. O gosto pelo fado acabou por se espalhar entre as classes mais altas e mais letradas. E finalmente, chegou aos nossos dias.

 

Independentemente das origens do fado, esteja ou não na moda, fosse ou não classificado património imaterial da humanidade, o que é certo é que é nosso! É a nossa alma, é a nossa cultura e o que eu sei é que gosto muito. Aqui fica um dos meus preferidos, até porque lá fundo eu sou uma conservadora...

 

http://www.youtube.com/watch?v=RU-Z0SiQKgU&feature=related

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32

Pág. 1/5



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D