Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um problema de flexibilidade

por reporterdesaltosaltos, em 24.07.10

Desde bebé que tenho problemas nos joelhos. Na infância passei uns bons tempos em tratamentos no Hospital da Estefânia e até melhorei, mas esta mazela sempre me acompanhou. Aos 18 anos tive o meu famoso acidente e uma vez mais, o problema mais grave foi nos joelhos. Ainda hoje sou bastante destravada e estou sempre a ir contra as coisas. Os meus joelhos “pagam” a minha falta de atenção. “É uma questão de flexibilidade, não do corpo mas da tua mente” disse-me a minha amiga e fisioterapeuta Sónia, numa fase em que “abraçou” um estilo de vida mais holístico. Acho que tem razão…

 

Aos 18 anos achava que sabia tudo e tinha convicções inabaláveis. Sempre fui um pouco extremista. Se tinha ideias de direita, tinha ideias de direita! Se tinha ideias de esquerda, tinha ideias de esquerda! O mesmo em relação à religião e tudo o resto. É verdade que fui flexível ao ponto de ir mudando de ideias mas a verdade é que quando as assumia sempre fui uma exagerada. Sempre tive de ter bem claro na minha mente, o meu posicionamento e a absoluta convicção naquilo em que acreditava.

 

 

Hoje é verdade que tenho outra atitude. Já não tenho necessidade de me posicionar num extremo ou no outro. Já consigo ter leveza de convicções. Consigo posicionar-me à direita e à esquerda em simultâneo. Consigo ser mais flexível e estar “entre ideais” mesmo quando estes parecem ser antagónicos. Um dia, um amigo da minha amiga Sónia disse-me que eu tinha uma “postura ecléctica”. Já sabia escolher o melhor de cada. De cada religião, de cada ideia, de cada ideal, de cada posição. Foi aí que percebi que me tinha tornado numa pessoa mais flexível…

 

Mas os maus hábitos custam a perder e eu ainda estou a afinar a “coisa”. Há uns dois meses escrevi o meu manifesto anti-facebook. A verdade é que até prova do contrário mantenho a minha posição mas pelo menos assumi uma postura mais flexível. Agora pertenço à rede. É óbvio que como “Repórter de Saltos Altos”. Como Vera Lagos não quero lá estar. Não preciso. Reforço. Não estou lá como Vera Lagos mas como “Repórter de Saltos Altos”. E por enquanto mantenho a minha posição sobre os amigos do presente, do passado e do futuro... Mas vou dar uma oportunidade à “coisa”. Afinal se quero dizer (escrever) mal tenho de experimentar primeiro…

 

É também verdade que lhe encontrei uma finalidade. E é disto que eu gosto. De trabalhar com e por objectivos. Não estou a seguir modas nem a fazer fretes mas o facebook pode de facto ser um excelente instrumento de trabalho. Ora se toda a gente lá está que melhor sitio para eu colocar questões sobres as quais quero blogar? Mais rapidamente posso recolher opiniões sem andar a “melgar” sempre os mesmos amigos… Por isso, estão convidados para minha página. Deixem as vossas opiniões sobre os temas que vou colocar em debate. Tipo fórum. Fico grata pelo vosso input!

 

Conhecem o provérbio "Ao vento um galho verde dobra e um velho e seco parte-se"?. Só espero ainda estar verde...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:36

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D