Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Coragem para saltar sem rede?

por reporterdesaltosaltos, em 08.02.12

O circo tradicional é um tipo de espectáculo sem o qual eu podia viver bem. Que me perdoem alguns artistas de circo mas não gosto e pronto! Para começar não suporto palhaços. Nem os do circo nem os da vida. Detesto palhaçadas e não percebo que piada lhe conseguem encontrar. Quanto aos animais podem até ser bem tratados mas quem gosta mesmo deles prefere saber que vivem no seu habitat natural. O lugar dos animais selvagens é na selva ou na savana ou lá o que é... Mas sim. Eu já fui e continuo a ir ao Zoo de Lisboa. Só não estou à espera que os animais se equilibrem numa pata...

 

Que isto não pareça um atentado ao circo. Tem de haver espaço para todos os tipos de artes e de artistas mas eu não sou obrigada a gostar. Admiro malabaristas, contorcionistas, ginastas, atletas, equilibristas, trapezistas e até os ilusionistas sobretudo porque fazem coisas que eu nunca me atreveria ou pelo menos nunca teria sucesso a fazer. Gosto imenso do “Cirque du Soleil” mas não falamos neste caso de um circo tradicional. Falamos do melhor da magia e da habilidade do corpo humano.

 

 

Quem  eu mais admiro são os trapezistas! Saltam entre plataformas pendurados em baloiços e para apimentar o espectáculo às vezes até tiram as redes de segurança. O que faz um doido destes saltar sem rede? Como de resto fazemos tantos de nós que temos a audácia de saltar sem rede mas na nossa vida? O que é que nos passa (ou não passa) pela cabeça para darmos um salto sem ter a menor sensação/noção de segurança? Ausência total de medo ou simplesmente loucura? Enfim, especializei-me em perguntas e não em respostas. Gostava mas não sei responder...

 

No circo da vida, quando sabemos que a rede está abaixo dos nossos pés e nos sentimos seguros saltamos. Saltamos sem problema porque sabemos que os riscos são menores. Saltamos para uma espécie de zona de conforto sem grandes agitações. Agora e se não houver rede? Quem tem a coragem de arriscar? De trocar o seguro e o estável por uma aventura sem asas e ao sabor do vento? Sem qualquer tipo de certezas, quem salta? Os audazes, os corajosos, os estúpidos ou os verdadeiramente loucos? Quem arrisca e porquê?

 

Acho que os loucos. E eu. Acho que sou do género de arriscar. De saltar sem rede para o inesperado com a certeza mental que tudo vai correr bem. Aliás de saltar sem rede e de saltar sem asas. Pode ser que as ganhe entretanto...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:18



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D