Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Está-me no sangue?

por reporterdesaltosaltos, em 11.08.11

Eu sei que na verdade não me está no sangue, mas às vezes é como se estivesse. Ao longo da vida, as nossas experiências e os ensinamentos que nos transmitem, acabam por se enraizar de tal forma, que passam a fazer parte de nós, como se na realidade tivessem mesmo nascido connosco. O meu pai e a minha mãe tiveram aqui um contributo essencial na minha vida. Ainda que em lados opostos, cada um deles ensinou-me algo muito importante. A minha mãe ensinou-me a ter valores. O meu pai ensinou-me a... Como dizem os americanos? Isso, a desenvolver "skills".

 

A minha mãe é a pessoa mais honesta à face da terra. Sempre trabalhou duro, sempre foi responsável e honesta com as suas obrigações e sempre cumpriu com os seus deveres. Sempre me ensinou a agir da forma mais correcta, independentemente das situações, dos benefícios e das desvantagens que originassem na minha vida. Acho que me passou isso bem. Em situações inesperadas de confronto de valores opto em 90% dos casos com absoluta honestidade e quase sempre estou a agir sem pensar. Recordo-me que há uns anos, fui com a minha mãe levantar dinheiro ao banco, tipo 1.000€ ou coisa parecida. Estávamos ao balcão, o senhor do banco contou o dinheiro à nossa frente duas vezes, meteu no envelope e deu-me. Fomos para o carro e não sei porquê voltei a contar o dinheiro. Tinha 100€ a mais. Sem sequer pensar no assunto, já estava a sair do carro e fui devolver o dinheiro. O senhor quase chorou a agradecer (parece que tinha de devolver do bolso dele quando há faltas na caixa) e não acreditava que eu estava mesmo a devolver o dinheiro.

 

Recordo-me também de outra situação, em que eu e um namorado fomos passear e ao estacionar ele bateu num carro.Uma amolgadela ligeira e uns riscos. Ele queria ir-se embora porque quase nem se via. Eu queria ficar até chegar o dono do carro ou ele deixar um bilhete com o contacto. Discutimos. Eu ganhei. Ficámos! Horas! E quando chegou o dono do carro (que afinal não se importou com a mossa e nunca activou o seguro) fartou-se de elogiar a honestidade dele. Dele? Minha! Mas ele assumiu os louros e eu decidi não o desmascarar porque devia estar muito bem disposta! Mas nada disto faz de mim uma pessoa honesta. São apenas episódios que contrastam com todo o resto da minha vida, feita de outros episódios e de outros ensinamentos.

 

 

 

O meu pai. O meu pai ensinou-me exactamente o contrário. Basicamente o meu pai transmitiu-me com a mesma sabedoria e experiência que na vida o que interessa é atingir os fins. Os meios são a modos que algo versátil. Ensinou-me a ser a mais esperta (esperta é sempre pouco). Ensinou-me que tudo é possível. Tudo! Ensinou-me que todos os problemas têm solução e que não podemos deixar-nos abater por motivo algum. Ensinou-me a escolher o caminho mais fácil, mais rápido e mais directo para chegar ao meu destino. Por mais que me custe admitir ensinou-me as tais "skills" que nos dias de hoje são essenciais à vida e à sobrevivência. Ensinou-me também que os processos em tribunal prescrevem... Digamos que o meu pai é o típico tuga. O espertalhão. De facto é o que ele tem sido e tem-se safado bem. Posso dizer que me ensinou também a desenrascar-me (o meu verbo preferido) em qualquer situação. A ser uma pessoa prática. A ver as oportunidades e a correr atrás delas. E se elas não existem, a criá-las... No fundo, a ser mais esperta que os outros.

 

Agora se me perguntarem o que é que prefiro? Eu respondo. Gosto muito de ser mais esperta que os outros mas prefiro sempre ser mais honesta. Como em tudo na vida temos de ter equilíbrio e discernimento para aplicar a atitude certa, com as pessoas certas e na altura certa. O meu critério depende muito dos envolvidos. Se o envolvido vai ser prejudicado injustamente (senhor do banco ou dono do carro) não hesito em ser honesta. Se por outro lado, é uma questão de sobrevivência e de competição, e sei que o envolvido vai lutar com as mesmas armas que eu, aí sim, não hesito em ser mais esperta. E saíam da minha frente!!! Porque como diz o outro "o medo a mim é uma cena que não me assiste".

 

Vou à praia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D